sábado, 31 de maio de 2008

terça-feira, 20 de maio de 2008

segunda-feira, 19 de maio de 2008

VIDA ( My life )

PAI NOSSO

Pai Nosso,

Que estás em toda a harmonia do Universo

Santificado seja o teu nome,

Venha a nós o teu reino

Seja feita a tua vontade, na Terra, no Espaço,

Como em todos os Mundos habitados,

O Pão do corpo e da alma,

Dá-nos hoje, Senhor,

Perdoa nossas faltas e imperfeições,

Dá-nos o sublime sentimento do perdão,

Para aqueles que nos tenham ofendido,

Não nos deixeis sucumbir às tentações da matéria,

Às ciladas dos espíritos mais imperfeitos que nós,

Mas envia-nos, Senhor, os Bons para nos esclarecer.

Que um raio de tua luz se derrame sobre toda a humanidade sofredora.


Publicado no Seara Espírita, ano I, nº 4, mar

terça-feira, 13 de maio de 2008

Mensagem



E
STREITAR OS POVOS
S
EMEAR A COMPREENSÃO
P
REPARAR A CONCÓRDIA
E
SPALHAR A SOLIDARIEDADE HUMANA
R
EUNIR AS CRIATURAS
A
CLARAR O CAMINHO DAS NAÇÕES
N
UTRIR OS IDEAIS DE FRATERNIDADE UNIVERSAL
T
RAÇAR RUMOS NOVOS À EVOLUÇÃO DA TERRA
O
RGANIZAR A PAZ DO TERCEIRO MILÊNIO

Divaldo de Franco - CRIANÇA ÍNDIGO


Divaldo Franco - As Crianças Índigo
da constelação das Plêiades, de onde estão migrando para a Terra., espíritos de alta estirpe, a fim de prepararem o mundo de regeneração. Apresenta- Grupo "A caminho da Luz"
http://grupoacaminhodaluz.blogspot.com/Nesta conferência brilhante, Divaldo Franco, médium e orador espírita, enaltece as belezas do zimbório celeste, analisando, principalmente, a luminífera estrela Alcione, da constelação das Plêiades, de onde estão migrando para a Terra., espíritos de alta estirpe, a fim de prepararem o mundo de regeneração.
Apresenta-nos interessante documentário acerca das
Crianças Ìndigo e Cristal, descrevendo as suas auras, as suas emanações, a missão que desempenham na Terra, a maneira como se comunicam com os demais, seus problemas, dificuldades e como os pais e educadores devem agir para que recebam orientação segura no bem e consigam ser felizes.
Divaldo destaca-nos com riqueza de informações e com o dinamismo que lhe é peculiar, os diversos grupos em que esses seres estão divididos, como humanistas, artistas, conceptuais e interdimensionais, baseado em cientistas que se dedicam ao estudo deste assunto.
Aborda pontos interessantes sobre o excelente trabalho da eminente pedagoga e médica Dra. Maria Montessori, recordando, concomitantemente, as experiências de
Fröebel, Pestalozzi, Rudolf Steiner, criador da pedagogia Waldorf.
Divaldo deixa-nos uma mensagem oportuna, destacando a necessidade das crianças brincarem, de serem tratadas como crianças.
Ressalta, também, o dever dos pais educá-las no lar, sem delegar essa tarefa a profissionais remunerados, procurando sempre despertar em suas almas as virtudes que lhes estão em germe.
Oferece-nos, ainda, técnicas salutares para o êxito da nobre tarefa da educação infantil.
59min44 seg.

sábado, 10 de maio de 2008

Para você MÃE no seu dia com um abraço carinhoso...

O Essencial de Deus Em toda a beleza e magnitude da vida,o Criador colocou em cada objeto da Sua criaçãouma forma reduzida, uma síntese que nos faz pensar.São as qualidades de cada coisa que nos lembram,que não estamos sozinhos,que nunca ficaremos desamparados,ainda que a ausência de pessoas queridasse faça tão forte que nos faça chorar,ainda assim, encontraremos:No mar, a força que encanta,nas matas, os mistérios que recriam a vida,nos rios, os caminhos que devemos vencer,nos animais, o exemplo do equilíbrio natural,nas pessoas, a diversidade de sentimentos e emoções,nas geleiras, os limites que devemos respeitar,no deserto, a prova da nossa capacidade de superação.Para cada sentimento uma lembrança...Para sintetizar o amor, Deus pegou um pouco de cada qualidade presente na vida,a força, a determinação, o carinho, a esperança,as dúvidas a perseverança e a certeza, misturou tudo e concentrou,resumidamente na sua maior criação,que Ele deu o nome de Änjo da Vida",e que nós chamamos simplesmente de "Mãe"!Por isso, carinho de mãe é remédio,abraço de mãe é agasalho,comida de mãe é energia,palavra de mãe é conselho,e conselho uma oração,palavra de mãe é conselho,e conselho uma oração,e a sua oração uma conversa direta com Deus.Mãe pode ser a avó,a tia ou uma irmã,pode ser até o pai,pois é a figura que assume a maternidade,ainda que de outra barriga,e recebendo de Deus o bastão,leva adiante a tocha sagrada do amor,pois ser mãe é esquecer um pouco de si mesma,para se tornar inesquecível na vida de outra pessoa:você!(Autor: Paulo Roberto Gaefke)

quinta-feira, 8 de maio de 2008

PARA TODAS MAMÃES, forte abraço, beijos. Esta data é muito especial.
Recados Para Orkut

[violet]***[/violet] Novas animações de Dia das Mães!


quarta-feira, 7 de maio de 2008



Recados Para Orkut

[violet]***[/violet] Novas animações de Deus!


terça-feira, 6 de maio de 2008

ACREDITAR NA VIDA!

É ter esperança no amanhã.
Saber que após a noite vem o dia.
Viver intensamente as emoções!
Pular de alegria.
Não invadir o espaço alheio.
Ser espontâneo.
Apreciar o nascer e o pôr-do-sol.
Amar as pessoas incondicionalmente.
Aproveitar todos os momentos...
Fazer trabalho voluntário.
Vencer a depressão!
É cantar no chuveiro.
Confiar na voz da intuição.
Perdoar as pessoas.
Estimular a criatividade.
Não se prender a detalhes.
Brincar como uma criança.
Chorar de felicidade...
Deixar para lá.
Ter pensamento positivo.
Respeitar os sentimentos dos outros.
Rir sozinho.
Saber trabalhar em equipe.
Ser sincero.
Encontrar a felicidade nas pequenas coisas.
Entender que somos pessoas únicas.
É dançar sem medo.
Não se apegar a bens materiais.
Respirar a brisa do mar.
Ouvir a melodia suave de uma fonte.
Observar a natureza.
Adorar um dia de chuva.
Ter motivação!
Enxergar além das aparências.
Descobrir que precisamos dos outros.
Esquecer o que já passou.
Buscar novos horizontes.
Perceber que somos humanos.
Vencer a nós mesmos.
Ver a beleza da alma.
Sair da passividade.
Saber que a vida é conseqüência de nossas atitudes...
Não procrastinar as decisões.
Mimar a criança interior.
Deixar acontecer...
Beijar muito.
Praticar a humildade.
Adorar calor humano.
Curtir as pequenas vitórias.
Viver apaixonado pela vida!
Visualizar só coisas boas.
Entender que há limites.
Mentalizar positivo.
Ter auto-estima.
Colocar sua energia positiva em tudo que realizar!
Ver a vida com outros olhos...
Só se arrepender do que não fez.
Escutar música clássica ou new age.
Fazer parcerias com os amigos.
Crescer juntos.
Dormir feliz.
Emanar vibração de amor...
Saber que estamos só de passagem.
Melhorar os relacionamentos.
Aproveitar as oportunidades.
Ouvir o coração...
Acreditar na vida!

PLANTIO E COLHEITA

Quem planta árvores, colhe alimento.
Quem planta flores, colhe perfume.
Quem semeia trigo, colhe pão.
Quem planta amor, colhe amizade.
Quem semeia alegria, colhe felicidade.
Quem planta a vida, colhe milagres.
Quem semeia verdade, colhe a confiança.
Quem semeia fé, colhe a certeza.
Quem semeia carinho, colhe gratidão.
No entanto, há quem prefira semear tristeza e colher amargura.
Plantar discórdia e colher solidão.
Semear vento e colher tempestade.
Plantar ira e colher inimizade...
Plantar injustiça e colher abandono.
Somos semeadores conscientes, espalhamos diariamente milhões de sementes ao nosso redor.
Que possamos escolher sempre as melhores, para que, ao recebermos a dádiva da colheita farta, tenhamos apenas motivos para agradecer...

ROSAS PARA VOCÊ

Um senhor, na faixa dos 60 anos,
foi um dia convidado por um colega
de trabalho para a assistir
uma reunião espírita,
que acontecia aos sábados à tarde,
em sua residência paulistana.
Embora relutando porque morava
em Santos, não gostava de sair
da toca e pelo frio daquela tarde
de junho, resolveu ir.
A família até estranhou quando ele
avisou que não iria almoçar e
que viajaria à capital.
Era uma atitude tão incomum...
O expressinho o deixou na porta da casa
e ele chegou atrasado, sentando-se
no fundo da sala para não atrapalhar.
Logo percebeu que se tratava de
um encontro espiritualista sério.
A reunião já estava quase no fim,
quando a senhora que psicografava,
perguntou: - Quem é fulano?.
Ele levou um susto quando ouviu
o seu nome.
- Tenho uma mensagem para o senhor,
ouça: "Rosas para você mamãe,
um beijo. Bebel".
Do susto passou para o aturdimento:
que mensagem seria aquela?
Não conhecia nenhuma Bebel
e nem entendia aquela expressão
cifrada de alguém que enviava
rosas para a mãe.
Mas, evidentemente, recebeu-a com
respeito e guardou no bolso o bilhete
que lhe foi entregue.
Terminada a reunião, saiu rápido,
subindo a Av. Paulista para tomar um táxi
que o levasse até o ponto do ônibus.
De repente, veio à mente uma vontade
enorme de rever um amigo de faculdade
que morava ali numa transversal e
que não via há vinte anos pelo menos.
Que estranho, logo ele que não
costumava visitar ninguém e
tinha pavor de viajar à noite!
Foi um impulso tão forte, tão forte,
que quando percebeu estava à
porta da casa do amigo.
Tocou a campainha e depois
de segundos, o querido
companheiro abriu a porta.
Os anos haviam passado,
os cabelos de ambos eram grisalhos,
as silhuetas se arredondaram e
os olhares aparentavam o cansaço
da caminhada.
Abraços, emoção, trocas habituais
de perguntas sobre outros amigos
comuns, carinho e o convite dele e da
mulher para que ficasse para jantar.
Diante da insistência, cedeu.
À mesa, os papos continuaram
saudosos e queridos.
Há nos encontros com os amigos
de infância e adolescência um rol de
emoções e lembranças que não existe
com as amizades posteriores,
por mais amplas e íntimas que sejam.
Quando sentaram-se à sala novamente
e a esposa pediu licença para
pegar a bandeja do cafezinho,
o anfitrião falou baixo e de voz embargada
- Você não imagina o bem que nos fez
vindo aqui hoje, a Sílvia estava
precisando muito de distração.
Com certeza você não soube que
a nossa filha mais nova, Isabel,
que nós chamávamos de Bebel,
morreu num acidente há um ano.
Era a alegria da casa, já que meus
dois outros filhos vivem fora do País
e só nos visitam de vez em quando.
Mesmo depois de casada,
Bebel continuou morando aqui perto
para nos fazer companhia.
Hoje é aniversário da Sílvia e parece
que ainda estou vendo nossa filha
entrar por essa porta como fazia
todos os anos,
cantando Parabéns a Você e
trazendo um buquet de rosas
vermelhas, as preferidas da mãe.
Tanto é que até comprei as flores que
estão naquele vaso, mas é completamente
diferente, é claro.
Os minutos seguintes foram da
mais forte emoção.
Dele, ao contar quase sem fôlego
o acontecido durante a tarde e
de um pai, que ouvia, chorando,
os desígnios do grande mistério
além do espaço e do tempo.
O mensageiro nem quis esperar
a volta da mãe, com o café.
Preferia não participar do momento
do casal, pedindo ao amigo que
o relatasse; era apenas e
simplesmente o veículo portador.
Ao sair e passar perto da mesa
onde estavam as rosas, tirou o bilhete
do bolso e deixou-o ao lado...
Era o cartão que faltava.

SITE: Templo dos Sonhos

ORAÇÃO DA SERENIDADE

Concedei-me Senhor, a serenidade necessária para aceitar as coisas que eu não posso modificar, coragem para modificar aquelas que eu posso, e sabedoria para distinguir uma das outras.

Examinemos as partes principais:

1) ACEITAR AS COISAS QUE NÃO POSSO MODIFICAR

São muitas as coisas que não posso modificar: o passado, o futuro e nem outras pessoas. Preciso aceitar o fato de que posso ser atencioso e bondoso com meus familiares, porém não mais tempo do que se lhes está reservado estar aqui na TERRA. A perda de amigos deve ser aceita como se eles tivessem se mudado para muitas milhas de distância. Eu não posso modificar as pessoas, elas continuarão fazendo as coisas à sua maneira, apesar de que eu tente dizer-lhes, muitas vezes qual é a melhor forma...(A MINHA). - A quem posso eu mudar? A MIM MESMO.

2)CORAGEM PARA MUDAR AQUELAS QUE POSSO

Isto é, mudar minha maneira de ser. O Senhor! Permita que eu mude os meus sentimentos em relação aos outros. Ao invés de criticá-los, devo aceitá-los como eles são e estar interessado em seus problemas, ao invés de ignorá-los. Devo ser afetuoso com os outros, ao invés de mostrar-me frio e insensível. Permita Senhor, que eu mude minhas emoções, colocando esperança, amor, coragem, paz e alegria em milha vida, em lugar de amargura, temor, desgosto, ódio e ressentimento. Todos estas coisas eu posso modificar, se for suficientemente inteligente para reconhecer a necessidade de fazê-lo.

3)SABEDORIA PARA DISTINGUIR UMAS DAS OUTRAS

Se vejo coisas que não gosto, é hora de examinar a MIM MESMO: minhas atitudes, minhas reações e reconhecer se necessito mudar algumas delas. Examinemos uma vez, outra e mais outras, antes de criticar os outros. Compreendo que minha vida está intimamente ligada a outras vidas, mas estou tendo sabedoria suficiente para entender que não posso mudar os outros, mas posso mudar minha maneira de pensar, atuar e agir. Então a resposta à minha Oração é: DEVO E POSSO MUDAR SOMENTE A MIM MESMO.

REFLEXÃO / Edmilson Azevedo

Há alguns anos, nas olimpíadas especiais de Seatle, nove participantes, todos com deficiência mental, alinharam-se para a largada da corrida dos 100 metros rasos.

Ao sinal todos partiram, não exatamente em disparada, mas com vontade de dar o melhor de si, terminar a corrida e ganhar.

Um dos garotos tropeçou no asfalto, caiu e começou a chorar.

Os outros oito ouviram o choro. Diminuíram o passo e olharam para trás.

Então viraram e voltaram. Todos eles. Mas uma menina, com sindrome de down, ajoelhou, deu um beijo no garoto e disse: Pronto, vai sarar!

E todos os noves competidores alinharam, deram os braços e andaram juntos até a linha de chegada.

O estádio inteiro levantou, e os aplausos duraram muitos minutos...
Talvez os atletas fossem deficientes mentais... Más com certeza, " não eram deficientes espirituais..."

Aquele momento, jamais será esquecido, isso porque, lá no fundo, todos nós sabemos que o que importa nesta vida, mais do que ganhar sozinho, é ajudar os outros a vencer, mesmo que isso signifique diminuir os nossos passos...

JOGUE FORA SUAS BATATAS / Autor desconhecido

Um professor pediu aos alunos que levassem uma sacola com batatas para a sala de aula.
Solicitou que separassem uma batata para cada pessoa que os magoara ou de alguma forma os fizera sofrer.
Então escrevessem o nome da pessoa na batata e a colocassem dentro da sacola.
Eles começaram a pensar,
e foram lembrando uma a uma...
Algumas sacolas ficaram muitas pesadas!
A tarefa seguinte consistia em, durante uma semana, carregar consigo a sacola com as batatas para onde quer que fossem.
Com o tempo as batatas foram se deteriorando.
Era um incômodo carregar a sacola o tempo todo e ainda sentir seu mau cheiro.
Além disso, a preocupação em não esquecê-la em algum lugar fazia com que deixassem de prestar atenção em outras coisas que eram importantes para eles.
E foi assim que os alunos entenderam a lição de que carregar mágoas é tão ruim quanto carregar batatas.
Quando damos importância aos problemas não resolvidos
ou às promessas não cumpridas, nossos pensamentos enchem-se de mágoa, aumentando o stress e roubando nossa alegria.
Perdoar e deixar estes sentimentos irem embora é a única forma de trazer de volta a paz e a calma.
Vamos lá!
Jogue fora suas "batatas" !
E sorria!!!

RECOMEÇAR / Paulo Roberto Gaefke

Não importa onde você parou...
em que momento da vida você cansou...
o que importa é que sempre é possível e necessário
"Recomeçar".
Recomeçar é dar uma nova chance a si mesmo...
é renovar as esperanças na vida e o mais importante...
acreditar em você de novo.
Sofreu muito nesse período?
foi aprendizado...
Chorou muito?
foi limpeza da alma...
Ficou com raiva das pessoas?
foi para perdoá-las um dia...
Sentiu-se só por diversas vezes?
É por que fechaste a porta até para os anjos...
Acreditou que tudo estava perdido?
Era o início da tua melhora...
Pois é...agora é hora de reiniciar...de pensar na luz...
de encontrar prazer nas coisas simples de novo.
Que tal um novo emprego? Uma nova profissão?
Um corte de cabelo arrojado... diferente?
Um novo curso... ou aquele velho desejo de aprender a
pintar... desenhar... dominar o computador...
ou qualquer outra coisa...
Olha quanto desafio...
quanta coisa nova nesse mundão de meu Deus te esperando.
Tá se sentindo sozinho? besteira...
tem tanta gente que você afastou com
o seu "período de isolamento"...
tem tanta gente esperando apenas um sorriso teu
para "chegar" perto de você.
Quando nos trancamos na tristeza...
nem nós mesmos nos suportamos...
ficamos horríveis... o mal humor vai comendo nosso fígado...
até a boca fica amarga.
Recomeçar...
hoje é um bom dia para começar novos desafios.
Onde você quer chegar?
Vá alto... sonhe alto... queira o melhor do melhor...
queira coisas boas para a vida...
pensando assim trazemos prá nós aquilo que desejamos...
Se pensamos pequeno... coisas pequenas teremos...
já se desejarmos fortemente o melhor e
principalmente lutarmos pelo melhor...
o melhor vai se instalar na nossa vida.
E é hoje o dia da faxina mental...
jogar fora tudo que te prende ao passado...
ao mundinho de coisas tristes...
fotos... peças de roupa, papel de bala...
ingressos de cinema... bilhetes de viagens...
e toda aquela tranqueira que guardamos
quando nos julgamos apaixonados...
jogue tudo fora... mas principalmente...
esvazie seu coração... fique pronto para a vida...
para um novo amor...
Lembre-se somos apaixonáveis...
somos sempre capazes de amar muitas
e muitas vezes... afinal de contas...
Nós somos o "Amor"...

ANJO / Katia Vanuchi Ramos

O menino voltou-se para a mãe e perguntou:
- Os anjos existem mesmo? Eu nunca vi nenhum.
Como ela lhe afirmasse a existência deles, o pequeno disse que iria andar pelas estradas, até encontrar um anjo.
- É uma boa idéia, falou a mãe. Irei com você.
- Mas você anda muito devagar, argumentou o garoto. Você tem um pé aleijado.
A mãe insistiu que o acompanharia. Afinal, ela podia andar muito mais depressa do que ele pensava.
Lá se foram. O menino saltitando e correndo e a mãe mancando, seguindo atrás.
De repente, uma carruagem apareceu na estrada. Majestosa, puxada por lindos cavalos brancos. Dentro dela, uma dama linda, envolta em veludos e sedas, com plumas brancas nos cabelos escuros. As jóias eram tão brilhantes que pareciam pequenos sóis.
Ele correu ao lado da carruagem e perguntou à senhora:
- Você é um anjo?
Ela nem respondeu. Resmungou alguma coisa ao cocheiro que chicoteou os cavalos e a carruagem sumiu na poeira da estrada.
Os olhos e a boca do menino ficaram cheios de poeira. Ele esfregou os olhos e tossiu bastante. Então, chegou sua mãe que limpou toda a poeira, com seu avental de algodão azul.
- Ela não era um anjo, não é, mamãe?
- Com certeza, não. Mas um dia poderá se tornar um, respondeu a mãe.
Mais adiante uma jovem belíssima, em um vestido branco, encontrou o menino.
Seus olhos eram estrelas azuis e ele lhe perguntou:
- Você é um anjo?
Ela ergueu o pequeno em seus braços e falou feliz:
- Uma pessoa me disse ontem à noite que eu era um anjo.
Enquanto acariciava o menino e o beijava, ela viu seu namorado chegando.
Mais do que depressa, colocou o garoto no chão. Tudo foi tão rápido que ele não conseguiu se firmar bem nos pés e caiu.
- Olhe como você sujou meu vestido branco, seu monstrinho! - Disse ela, enquanto corria ao encontro do seu amado.
O menino ficou no chão, chorando, até que chegou sua mãe e lhe enxugou as lágrimas com seu avental de algodão azul.
- Aquela moça, certamente, não era um anjo.
O garoto abraçou o pescoço da mãe e disse estar cansado.
- Você me carrega?
- É claro - disse a mãe - Foi para isso que eu vim.
Com o precioso fardo nos braços, a mãe foi mancando pelo caminho, cantando a música que ele mais gostava.
Então o menino a abraçou com força e lhe perguntou:
- Mãe, você não é um anjo?
A mãe sorriu e falou mansinho:
- Imagine, nenhum anjo usaria um avental de algodão azul como o meu. Anjos são todos os que na Terra se tornam guardiões dos seus amores. São mães, pais, filhos, irmãos e amigos que renunciam a si próprios, à suas vidas em benefício dos que amam. As mães, sobretudo, prosseguem a se doar e velar por seus filhos, mesmo além da fronteira da morte, transformando-se em protetoras daqueles que na terra ficaram, como pedaços de seu próprio coração.

(Baseado no livro "Em Torno do Mestre")

A ARTE DE SER FELIZ

Acorde todas as manhãs com um sorriso. Esta é mais uma oportunidade que você tem para ser feliz. Seja seu próprio motor de ignição. O dia de hoje jamais voltará. Não o desperdice, pois você nasceu para ser feliz! Enumere as boas coisas que você tem na vida. Ao tomar consciência do seu valor, você será capaz de ir em frente com muita força, coragem e confiança! Trace objetivos para cada dia. Você conquistará seu arco-íris, um dia de cada vez. Seja paciente. Não se queixe do seu trabalho, do tédio, da rotina, pois é o seu trabalho que o mantém alerta, em constante desenvolvimento pessoal e profissional, além disso o ajuda a manter a dignidade. Acredite, seu valor está em você mesmo. Não se deixe vencer, não seja igual, seja diferente. Se nos deixarmos vencer, não haverá surpresas, nem alegrias. Conscientize-se que a verdadeira felicidade está dentro de você. A felicidade não é ter ou alcançar, mas sim dar. Estenda sua mão. Compartilhe. Sorria. Abrace. A felicidade é um perfume que você não pode passar nos outros sem que o cheiro fique um pouco em suas mãos. O importante de você ter uma atitude positiva diante da vida, ter o desejo de mostrar o que tem de melhor, é que isso produz maravilhosos efeitos colaterais. Não só cria um espaço feliz para o que estão ao seu redor, como também encoraja outras pessoas a serem mais positivas. O tempo para ser feliz é agora. O lugar para ser feliz é aqui! Texto autorizado pelo site "A Jornada" www.ajornada.hpg.ig.com.br

AGRADECIMENTO A VIDA.

Se pudéssemos ter consciência do quanto nossa vida é passageira, talvez pensássemos duas vezes antes de jogar fora as oportunidades que temos de ser e de fazer os outros felizes. Nos entristecemos por coisas pequenas e perdemos minutos e horas preciosas. Perdemos dias, às vezes anos. Nos calamos quando deveríamos falar; falamos demais quando deveríamos ficar em silêncio. Não damos o abraço que tanto nossa alma pede porque algo em nós impede essa aproximação. Não damos um beijo carinhoso "porque não estamos acostumados com isso" e não dizemos que gostamos porque achamos que o outro sabe automaticamente o que sentimos. E passa a noite e chega o dia, o sol nasce e adormece e continuamos os mesmos, fechados em nós. Reclamamos do que não temos, ou achamos que não temos suficiente. Cobramos. Dos outros. Da vida. De nós mesmos. Nos consumimos. Costumamos comparar nossas vidas com as daqueles que possuem mais que a gente. E se experimentássemos comparar com aqueles que possuem menos? Isso faria uma grande diferença! E o tempo passa... Passamos pela vida, não vivemos. Sobrevivemos, porque não sabemos fazer outra coisa. Até que, inesperadamente, acordamos e olhamos pra trás. E então nos perguntamos: e agora?! Agora, hoje, ainda é tempo de reconstruir alguma coisa, de dar o abraço amigo, de dizer uma palavra carinhosa, de agradecer pelo que temos. Nunca se é velho demais ou jovem demais para amar, dizer uma palavra gentil ou fazer um gesto carinhoso. Não olhe para trás. O que passou, passou. O que perdemos, perdemos. Olhe para frente! Ainda é tempo de voltar-se para dentro e agradecer pela vida, que mesmo passageira, ainda está em nós.

OITO BONS PRESENTES QUE NÃO CUSTAM UM CENTAVO!!!!

O PRESENTE ESCUTAR... Mas você deve realmente escutar. Sem interrupção, sem distração, sem planejar sua resposta. Apenas escutar. O PRESENTE AFEIÇÃO... Seja generoso com abraços, beijos, tapinhas nas costas e aperto de mãos. Deixe estas pequenas ações demonstrarem o amor que você tem por família e amigos. O PRESENTE SORRISO.... Junte alguns desenhos. Compartilhe artigos e histórias engraçadas. Seu presente será dizer, "Eu adoro rir com você." O PRESENTE BILHETINHO... Pode ser um simples bilhete de "Muito obrigado por sua ajuda" ou um soneto completo. Um breve bilhete escrito à mão pode ser lembrado pelo resto da vida, e pode mesmo mudar uma vida. O PRESENTE ELOGIO... Um simples e sincero, "Você ficou muito bem de vermelho", "Você fez um super trabalho" ou "Que comida maravilhosa" faz o dia de alguém. O PRESENTE FAVOR... Todo dia, faça algo amável. O PRESENTE SOLIDÃO... Tem momentos em que nós não queremos nada mais do que ficar sozinhos. Seja sensível à esses momentos e dê o presente da solidão ao outro. O PRESENTE DISPOSIÇÃO... A maneira mais fácil de sentir-se bem é colocar-se à disposição de alguém, e isso não é difícil de ser feito.

Que diferença faz uma estação!

Um homem tinha quatro filhos.
Ele queria que seus filhos aprendessem a não julgar as coisas de modo apressado, por isso, ele mandou cada um em uma viagem, para observar uma Pereira que estava plantada em um distante local..
O primeiro filho foi lá no Inverno, o segundo na Primavera, o terceiro no Verão, e o quarto e mais jovem, no Outono.
Quando todos eles partiram, e retornaram, ele os reuniu, e pediu que cada um descrevesse o que tinham visto.
O primeiro filho disse que a árvore era feia, torta e retorcida.

O segundo filho disse que não, que ela era recoberta de botões verdes, e cheia de promessas.

O terceiro filho discordou; disse que ela estava coberta de flores, que tinham um cheiro tão doce e eram tão bonitas, que ele arriscaria dizer que eram a coisa mais graciosa que ele jamais tinha visto.

O último filho discordou de todos eles; ele disse que a árvore estava carregada e arqueada, cheia de frutas, vida e promessas...

O homem então explicou a seus filhos que todos eles estavam certos, porque eles haviam visto apenas uma estação da vida da árvore...
Ele falou que não se pode julgar uma árvore, ou uma pessoa, por apenas uma estação, e que a essência de quem eles são, e o prazer, a alegria e o amor que vêm daquela vida podem apenas ser medidos ao final, quando todas as estações estão completas.
Se você desistir quando for Inverno, você perderá a promessa da Primavera, a beleza de seu Verão, a expectativa do Outono.

Não permita que a dor de uma estação destrua a alegria de todas as outras.
Não julgue a vida apenas por uma estação difícil.
Persevere através dos caminhos difíceis, e melhores tempos certamente virão de uma hora para a outra!
Não se esqueça:
Ciência, é o conhecimento organizado;
Sabedoria é a vida organizada...
"O ser humano não se torna iluminado ao imaginar figuras de luz, mas ao conscientizar-se da escuridão."

Carl Gustav Jung

segunda-feira, 5 de maio de 2008



A ARTE DE ENSINAR

Dia desses um garoto de oito anos contava para a mãe suas experiências na sala de aula. Comentava sobre cada professor, sua maneira de ser e de transmitir ensinamentos.
Dizia que gostava muito das aulas de uma determinada professora, embora não gostasse muito da matéria.
Comentava, ainda, que detestava ter que assistir as aulas de sua matéria preferida porque não gostava da professora.
Dizia, com a franqueza que a inocência infantil permite: A professora de História está sempre de mau humor. Ela grita com a gente por qualquer motivo e nunca sorri.
Quando passa uma lição e algum aluno não faz exatamente como ela mandou, faz um escândalo. Todos os alunos têm medo dela.
Já a professora de Português está sempre sorrindo. Brinca com a turma e só chama atenção quando alguém está atrapalhando a aula. Eu até fiz uma brincadeira com ela um dia desses, e ela riu muito.
Depois de ouvir atentamente, a mãe lhe perguntou: E por que você não gosta das aulas de religião, filho?
Ah, falou o menino, o professor é grosseiro e cínico. Critica todos os alunos que têm crença diferente da dele e diz que estão errados sempre que não respondem o que ele quer ouvir.
E, antes de sair para suas costumeiras aventuras com os colegas, o garoto acrescentou: Agora eu sei que, por mais complicada seja a matéria, o que faz diferença mesmo, é o professor.
De uma conversa entre mãe e filho, aparentemente sem muita importância, podemos retirar sérias advertências.
E uma delas é a responsabilidade que pesa sobre os ombros daqueles que se candidatam a ensinar.
Muitos se esquecem de que estão exercendo grande influência sobre as mentes infantis que lhes são confiadas por pais desejosos de formar cidadãos nobres.
Talvez pensando mais no salário do que na nobreza da profissão, alguns tratam os pequenos como se fossem culpados por terem que passar longas horas numa sala de aula.
Mais grave ainda, é quando se arvoram a dar aulas de Religião e agridem as mentes infantis com a arrogância de que são donos da verdade, semeando no coração da criança as sementes do cepticismo.
Quem aceita a abençoada missão de ensinar, deve especializar-se nessa arte de formar os caracteres dos seus educandos, muito mais do que adestrar-se em passar informações pura e simplesmente.
É preciso que aqueles que se dizem professores tenham consciência de que cada criatura que passa por uma sala de aula, levará consigo, para sempre, as marcas indeléveis de suas lições. Sejam elas nobres ou não.
É imprescindível que os educadores sejam realmente mestres, no verdadeiro sentido do termo.
Que ensinem com sabedoria, entusiasmo e alegria.
Que exemplifiquem a confiança, a paz, a amizade, o companheirismo e o respeito.
E aquele que toma sobre si a elevada missão de ensinar Religião, deverá estar revestido de verdadeira humildade e da mais pura fraternidade, a fim de colocar Deus acima de qualquer bandeira religiosa.
Deverá religar a criatura ao seu Criador, independente da Religião que esta professe, sem personalismo e sem o sectarismo deprimente, que infelicita os seres e os afasta de Deus.
Por fim, todo professor deverá ter sempre em mente que a sua profissão é uma das mais nobres, porque é a grande responsável por iluminar consciências e formar cidadãos de bem.
Mestre verdadeiro é aquele que ajuda a esculpir nas almas as mais belas lições de sabedoria.
Verdadeiro professor é aquele que toma das mãos do homem, ainda criança, e o conduz pela estrada segura da honestidade e da honradez.
O verdadeiro mestre é aquele que segue à frente, sinalizando a estrada com os próprios passos, com o exemplo do otimismo e da esperança.

Redação do Momento Espírita.

AULA SOBRE A FELICIDADE/ Dinâmica da Mochila

TEMA:
Felicidade
OBJETIVO:
Ajudar o jovem a refletir sobre o que é realmente importante para sua felicidade
IDADE: 11 a 13 anos
MATERIAL:
Mochila, bússola, corda, garrafa de água, biscoito, equipamento de escalada, caixa de fósforo, rádio, lanterna, relógio, celular, tesoura, máquina fotográfica, mapa, estojo de 1º socorros, pacote de miojo, anilha.

Obs: A anilha pode ser substituida por qualquer outro objeto pesado. O objetivo é que o aluno sinta que realmente está difícil de carregar a mochila e precisa deixar alguns objetos no caminho.

DINÂMICA:

1º Momento
“Estamos em uma viagem a pé pelo deserto, carregamos esta mochila com diversos objetos importantes para nossa viagem.”

Neste momento todos os objetos são retirados da mochila e apresentados para os alunos. Se possível anote o nome dos objetos em um quadro negro para facilitar a lembrança. Peça a ajuda de um voluntário que será o protagonista da estória.

Solicite que o aluno de 3 voltas pela sala carregando a mochila pesada e peça para que a turma escolha um dos objetos para deixar pelo caminho alegando que a mochila está pesada. Repita o processo até que a mochila fique com apenas 1 objeto.

Deixe claro que a todo momento eles tiveram que fazer escolha para conseguir atingir o objetivo traçado que era completar a viagem.

2º Momento
“Agora vamos pensar nas nossas vidas. Podemos comparar nossa vida com a viagem feita pelo deserto? Qual seria nosso objetivo?”

A Felicidade!

“Quais são os “objetos” que Deus nos deu para que consigamos atingir nosso objetivo?”

Sugestões: a família, os amigos, fé, o trabalho, o estudo, roupas, casa, saúde, brinquedos, comida, video-game, celular, etc…

Misturar bens materiais com espirituais

Se possível listar os novos objetos da viagem da vida.

“O que devemos ir deixando de lado aos poucos para conseguirmos atingir a felicidade”

Conclusão

A felicidade está nas coisas simples da vida que todos nós temos e que são de graça! Precisamos de muito pouco para sermos felizes. Devemos estar sempre atentos ao que realmente é importante para sermos felizes. Na maioria das decisões que tomamos, esquecemos que estamos aqui na caminhada para felicidade. Esquecemos o longo prazo e pensamos só no hoje e agora. Pensar no futuro não é somente pensar na nossa vida daqui a 30 anos, mas sim pensar em todas as existências que teremos ao longo de nossa vida.

O LAÇO E O ABRAÇO

OBJETIVO:
através de uma brincadeira divertida com um pedaço de pano, mostrar ao grupo, a semelhança de situações para se dar um laço e para demonstrar um sentimento.
MATERIAL:
um pedaço de pano, de preferência com uma estampa alegre e divertida, de 60 cm de largura por 2m de comprimento.
COMO APLICAR:
o texto abaixo nos traz vários exemplos de situações que podemos experimentar com o grupo, atando e desatando, apertando ou afrouxando, e assim por diante, onde, de acordo com o movimento, faremos reflexões sobre sentimentos diversos, como amor, amizade, respeito e a maneira como lidamos com eles.

Segue o texto recebido por e.mail, autoria de Maria Beatriz Marinho dos Anjos.
O Laço e o Abraço

Meu Deus!!! Como é engraçado!…
Eu nunca tinha reparado como é curioso um laço…
Uma fita dando voltas? Se enrosca…
Mas não se embola , vira, revira, circula e pronto: está dado o abraço.
É assim que é o abraço: coração com coração, tudo isso cercado de braço.
É assim que é o laço: um abraço no presente, no cabelo, no vestido, em qualquer coisa onde o faço.
E quando puxo uma ponta, o que é que acontece? Vai escorregando
devagarinho, desmancha, desfaz o abraço.
Solta o presente, o cabelo, fica solto no vestido.
E na fita que curioso, não faltou nem um pedaço.
Ah! Então é assim o amor, a amizade. Tudo que é sentimento? Como um pedaço de fita?
Enrosca, segura um pouquinho, mas pode se desfazer a qualquer hora, deixando livre as duas bandas do laço.
Por isso é que se diz: laço afetivo, laço de amizade.
E quando alguém briga, então se diz - romperam-se os laços.-
E saem as duas partes, igual meus pedaços de fita, sem perder nenhum pedaço.
Então o amor é isso…
Não prende, não escraviza, não aperta, não sufoca.
Porque quando vira nó, já deixou de ser um laço.

APRENDENDO COM O JOGO DA VELHA

OBJETIVO:
Trabalhar a teoria da Doutrina dos Espíritos de maneira divertida. Este jogo pode ser usado para trabalhar conceitos novos, reforçar o conhecimento básico do Espiritismo ou para rever temas aprendidos em aulas anteriores.
MATERIAL:
folha de papel pardo com o jogo da velha e o tema a ser trabalhado, desenhado e escrito grande o suficiente para que todos possam ler de seus lugares na sala de aula ; os símbolos do jogo da velha + e O recortados em cartolina, pelo menos 6 unidades de cada.
COMO APLICAR:
em cada espaço que corresponde a uma “casa” do jogo da velha, escrever o tema que será trabalhado.O ideal é que esta etapa seja feita anteriormente, em casa.
Exemplo: para uma aula de reforço sobre a teoria básica da Doutrina, as 9 “casas” do jogo da velha podem ter as palavras - EVANGELIZAÇÃO; REINO DE DEUS; REENCARNAÇÃO; PLANETA TERRA; SOLIDARIEDADE; LIVRE-ARBÍTRIO; LEI DE CAUSA E EFEITO; PERDÃO; EGOÍSMO, onde cada palavra é escrita em uma “casa” do jogo.
A turma se divide em dois grupos, onde um grupo representa + e o outro, O. Alternadamente, os grupos escolhem uma palavra e dão a definição oralmente. A medida que vão acertando, os símbolos do jogo vão sendo marcados. A escolha das palavras devem visar o traçado de uma linha horizontal, vertical ou em diagonal, que é como funciona um jogo da velha tradicional. É importante o grupo perceber sózinho esta necessidade. Vence quem fizer primeiro a linha em um dos sentidos.
VARIAÇÕES: em cada “casa” do jogo da velha escrever a definição e o grupo precisa descobrir sobre o que se está falando.
Exemplo: maior ensinamento de Jesus (amor); forte mecanismo que nos impulsiona ao trabalho, ao esforço e ao progresso (vontade); conversa sincera com Deus e com os amigos espirituais e que nos trazem inspiração e conforto.

Prece
Retirado do site: evangelização.rafael.adm.br
Escola de Evangelização
"A missão educativa do Espiritismo junto às almas é tarefa por demais intensa, contínua e crescente, buscando revelar a verdadeira luz e estimulando a fé junto aos panoramas regenerativos da Terra, onde somente um Mestre, que é Jesus, há de inspirar cada criatura em sua própria iluminação."
(Bezerra de Menezes)

Evangelização da criança
Evangelização é auxiliar a criança a conhecer a si mesmos e às Leis Divinas que regem os mundos e os seres, desenvolvendo o sentimento de amor, influenciando de forma positiva o relacionamento entre os familiares, com o próximo em geral e com as criaturas da natureza.

A criança evangelizada será, o espírito esclarecido, vibrando em sintonia com as Leis Universais e colaborando conscientemente com Deus na grande obra da Criação Infinita.

EVANGELIZAÇÃO – TAREFA SUBLIME

A Doutrina Espírita representa, hoje, elevada escola de educação do Espírito, com a grandiosa tarefa da edificação do Reino de Deus na Terra, reino esse que se inicia no interior de cada um.
A tarefa de evangelização da criança e do jovem assume um caráter da mais alta importância em todo o Movimento Espírita.
Precisamos olhar a criança em sua verdadeira natureza de Espírito imortal, filho de Deus, dotado do germe da perfeição, que renasce para evoluir, para desenvolver suas potencialidades.
A evangelização deve optar por uma metodologia ativa, dinâmica, onde a criança seja co-participante de seu próprio processo educativo, vivenciando as experiências, sentindo, compreendendo e vibrando em cada atividade, desenvolvendo, assim, gradualmente suas potencialidades, encaminhando-se para a sua autonomia moral e intelectual, como ser que pensa, sente e age no bem.
Evangelizar é também um processo natural de espiritualização do ser, de desenvolvimento das potências anímicas do ser espiritual que somos todos nós. Espíritos imortais, filhos de Deus, à caminho da perfeição – em síntese: o desenvolvimento do Reino de Deus dentro de cada um, atendendo ao fabuloso apelo de Jesus: “Buscai em primeiro lugar o Reino de Deus, e tudo o mais virá por acréscimo...”
Para isso destaca-se também a importância da arte no processo de evangelização, tanto da literatura, das artes plásticas, do teatro, da dança e da música. Muitas vezes apenas o intelecto, a razão, não consegue atingir certos estados vibratórios superiores. As artes, em especial a música, o teatro e a dança nos permitem oferecer à criança e a jovem a oportunidade de ingresso em freqüências de nível elevado.
A Evangelização, pois, assume um caráter da mais alta importância no momento evolutivo em que vivemos, como mola propulsora de todo o progresso para uma Nova Era, que necessita do trabalho, esforço, dedicação e amor de todos nós, de todos os Espíritos que aqui renascerão e que precisam encontrar apoio e ambiente necessário nessa fabulosa escola do Espírito: o Centro Espírita.
Necessitamos, pois, prestar toda a colaboração possível nas atividades da evangelização da criança e do jovem.

Trechos do Jornal Vida Espírita ( Valter Oliveira Alves ) – Panorama Espirita

sábado, 3 de maio de 2008

TRIBUTO A FRANCISCO CÂNDIDO CHAVIER

Hoje as estrelas tem mais uma companhia,
para ajudá-las a brilhar mais por esta humanidade.

Sua luz estará nos guiando, pois ele chegou ao PAI!


Que seu exemplo, em vida, seja seguido, por todos nós!
30/06/2006 (Nanato) por Beth em 2002

O maior e mais prolífico médium psicógrafo do mundo, Francisco Cândido Xavier (foto acima) em todas as épocas, nasceu em Pedro Leopoldo, modesta cidade de Minas Gerais, Brasil, em 2 de abril de 1910. Viveu, desde 1959,
em Uberaba, no mesmo Estado.


Em 1997, Chico Xavier completou 70 anos de incessante atividade mediúnica, da maior significação espiritual, em prol da Humanidade, abrangendo seus mais diversos segmentos.

Até, outubro de 1997, Francisco Cândido Xavier psicografou mais de 400 (quatrocentas) obras mediúnicas, de centenas de autores espirituais, abarcando os mais diversos e diferentes assuntos, entre poesias, romances, contos, crônicas, história geral e do Brasil, ciência, religião, filosofia, literatura infantil, etc.

Excertos do livro digital "Francisco Cândido Xavier - Traços bibliográficos", publicado pela Federação Espírita Brasileira - FEB

Frases de Chico Xavier
"Ah... mas quem sou eu senão uma formiguinha das menores , que anda pela terra cumprindo sua obrigação".
"Eu me sinto feliz de ser obstinadamente médium... Eu gosto de ser médium, gosto dessa palavra...
Quero morrer médium... É tudo o que eu sempre quis ser..."
"A morte é a mudança completa de casa sem mudança essencial da pessoa".
"A revolução em que acredito é aquela ensinada por Nosso Senhor Jesus Cristo
que começa pela corrigenda de cada um,
na base do façamos aos outros aquilo que desejamos que os outros nos façam".
"A dor de tanta gente me penetra a alma toda".
"Sinto-me na maravilhosa máquina do serviço espírita à feição de insignificante peça de emergência,
precisando repelões e consertos constantes pelas imperfeições que traz."
"Sei que sou um espírito imperfeito e muito endividado, com necessidade constante de aprender,
trabalhar dominar-me e burilar-me, perante as Leis de Deus".
"Devemos efetuar campanhas de silêncio contra as chamadas fofocas,
cultivando orações e pensamentos caridosos e otimistas, em favor da nossa união e da nossa paz, em geral".
"Reconheço-me à maneira de um trabalhador do campo,
preparando-se para o regresso ao lar, depois de um longo dia de trabalho".
"Quando os espíritos julgam necessário, eles vêm e falam ou escrevem mensagens para mim,
A convivência com eles prossegue. Aliás, já me sinto um pouco desencarnado".

Chico Xavier, o homem-amor. Editoro Publicações S.A .
Lições De Silêncio

-Que você vai fazer em Uberaba, se o Chico está quase sem voz nestes dias, indagou-me um amigo
-Vou aprender alguma coisa com o silêncio dele. Não é só com palavras que o Chico nos ensina.
Cada atitude dele também é um ensinamento.
(do livro Momentos com Chico Xavier, de Adelina da Silveira)
* Francisco Xavier *
02/04/1910 - 30/06/2002

TROVAS DE MÃE

Dia das Mães!...Alegrias
Das mais puras, das mais belas!...
Mas é preciso saber
O dia que não é delas.



O Nosso berço no mundo,
Sem que ninguem o defina,
É um segredo entre a mulher
E a Providência Divina


Mãe possue onde apareça
Dois títulos a contento:
Escrava do sacrificio,
Rainha do sofrimento



Mulher quando se faz mãe,
Seja ela de onde for,
Por fora é sempre mulher,
Por dentro, é um anjo de amor.



Maternidade na vida,
Que o saiba quem não souber,
É uma luz que Deus acende
No coração da mulher.



Coração de mãe parece,
No lar em que se aprimora,
Padecimento que ri,
Felicidade que chora.



Pela escritura que trago,
Na história dos sonhos meus,
Mãe é uma estrela formada
De uma esperança de Deus.



Quantas mães lembram roseira!
Quantos filhos rosas são!...
Quanta rosa junto à festa!
Quanta roseira no chão!...



Delfina Benigna da Cunha

Psicografia de Francisco Candido Xavier

Do livro : Trovas do outro mundo ( pgs 31 a 33)



COM ESTE VÍDEO QUERO HOMENAGEAR TODAS AS MÃES.

FORTE ABRAÇOS À TODAS

FILHO DE DEUS - DIVALDO DE FRANCO

MENSAGEM DE BEZERRA DE MENEZES



Imagem GATINHO MIMOSO PARA COLORIR- Aula Alimentação nº9

Aula nº 9-ALIMENTAÇÃO

Prece inicial

Primeiro momento: caixa de surpresas - colocar em uma caixa frutas e legumes como cenoura, beterraba, tomate, laranja, maçã, banana, bergamota, mamão, chuchu, uva e pedir para as crianças identificarem.

Segundo momento: falar sobre alimentação, dialogando com as crianças a respeito das frutas, verduras e legumes que elas mais gostam e sua importância para o nosso organismo. Exemplo: a banana é boa para os ossos. Nosso corpo necessita de alimentos para que ele fique forte e saudável. Muitos alimentos (chocolate, balas, chicles, bolachas, pizza, cachorro quente, refrigerantes, negritos), são gostosos, mas se comermos demais não faz bem ao nosso organismo, pois podem dar cáries e ocasionar doenças.

Terceiro momento: contar a história =
O gatinho Mimoso
Mimoso era um gatinho de pelo bem branquinho. Gostava de brincar no jardim da casa onde morava e correr atrás de lindas borboletas de asas coloridas.
Apesar de muito brincalhão, Mimoso era um bom gatinho. Tinha, contudo, um grande defeito: era muito guloso! Gostava muito de comer e comia demais!
Quando sua dona servia o leite em um pratinho, Mimoso bebia, bebia até não poder mais. Chegava a ficar tão cansado que era obrigado a deitar-se um pouco para repousar. Procurava então a sombra de uma árvore e ali passava dormindo ou alisando os bigodes, horas e horas sem poder mexer-se.
E, como Mamãe Gata ficava triste! Chegava perto do filhinho comilão, sacudia a cabeça e dizia, miando tristemente:
- Ah! Meu filho... Um dia, ficarás ainda doente, doente de tanto comer!... Mimoso, porém, bocejava feliz. Espichava uma patinha para servir de travesseiro, deitava nela a cabeça e respondia cerrando os olhos, pronto para tirar uma boa soneca:
- Ora, mamãe, comer demais é bom. Não vê como estou gordo e bonitão? Assim, terei sempre bastante saúde!
Mamãe Gata dava outros miados tristes e tornava a dizer:
- Como você se engana, filhinho... É bom comer bastante, mas ninguém adquire saúde comendo demais... E, além disso, é muito feio ser comilão.
Porém, o gatinho não se corrigia de seu grande defeito.
Um dia, de volta de suas brincadeiras pelo jardim, Mimoso encontrou na porta da cozinha um prato cheinho de comidinha. E, que comida cheirosa!... Carne picadinha com pedacinhos de queijo! Os olhos de Mimoso arregalaram-se de prazer e num instante devorou tudo esganadamente. Depois, lambeu os bigodes e pôs-se a miar. Queria mais comida ainda! Então, o meninozinho da casa trouxe-lhe novo guisadinho, dessa vez, com pedacinhos de salame e mortadela.
Mimoso tornou a arregalar os olhos. Salame!... Mortadela!... Que coisa boa!... E, novamente, num instantinho, o prato ficou vazio. Agora sim estava satisfeito, mas tinha sede. Tomou água, bastante água!...
Já se encaminhava para o seu lugarzinho predileto embaixo da árvore, quando apareceu a dona da casa com uma tigela na mão.
O gatinho guloso parou, olhou bem e, vendo que era nova comidinha, voltou. Mas a dona da casa falou, ralhando:
- Vá se deitar, - disse ela - já comeu demais. Isto aqui é para logo, pois vou sair e só voltarei amanhã...
Mimoso era muito esperto e sabia que se teimasse, sua dona ficaria zangada de verdade. Então, retirou-se vagarosamente. Que haveria naquele prato?... Carne, com certeza, não era. . . Mortadela e queijo?... Não!... Já tinham lhe dado bastante e sabia por experiência que tão cedo não comeria aqueles petiscos. Salame, também não. Ah! Se pudesse saber!...
O gatinho comilão esperou um pouco antes de deitar-se. Sabia que, se o fizesse, não poderia levantar-se logo. Estava com a barriga muito cheia!...
Quando todos saíram e a casa ficou silenciosa, Mimoso aproximou-se do prato. Não iria comer, isso não, pois não tinha fome e o estômago estava muito carregado. Só queria dar uma espiadinha...
Chegou mais perto e, então, que maravilha! Sentiu um cheirinho gostoso muito conhecido seu.
- Leite! - gritou ele num miado. - Leite quentinho e com miolo de pão! A coisa de que eu mais gosto. Que pena ter comido tanto guisadinho!... Mas, vou dar uma lambidinha, só uma lambidinha.
Uma lambidinha?... Qual nada!... Sentindo o gosto do leite quentinho, não se conteve!... Deu muitas lambidinhas e só parou quando o prato ficou vazio, vazio!...
Então, Mimoso ergueu o focinho. Estava cansado, nem podia respirar direito. Tinha os olhos muito assustados. Sentia-se mal, doíam-lhe a barriga e a cabeça. Quis caminhar, dirigir-se para a sua árvore a fim de deitar-se, mas as perninhas estavam pesadas e parecia que ludo rodava, rodava à sua frente. Não pôde mais! Atirou-se no chão e ali ficou gemendo, gemendo.
Mamãe Gata, quando encontrou o gatinho gemendo de dor e olhou para o prato vazio, compreendeu tudo. Soltou tristes miados e lambendo-lhe a cabeça para aliviar-lhe o sofrimento, dizia pesarosa:
- Viu, filhinho, que lhe aconteceu?... Mamãe tinha razão, não é assim?...
Mimoso cerrou o olhinho muito abatido. Tinha muita dor, mas sentia também muita vergonha...
Três dias esteve doente e, quando melhorou, parecia outro. Andava tristonho, desanimado e tão fraco ficara que, durante muito tempo, não pôde correr pelo jardim atrás das borboletas de asas coloridas.
Mas Mimoso aprendeu uma grande lição e corrigiu-se, afinal, de seu grande defeito.
E desde então, também Mamãe Gata nunca mais, nunca mais precisou soltar miados tristes, tristes...
Esta história faz parte do projeto Conte Mais da Federação Espírita do Rio Grande do Sul/Departamento de Infância e Juventude. Estas histórias, utilizadas na evangelização espírita do RS, surgiram a partir da década de 1950. A coletânea é classificada por tema para facilitar o uso. Maiores informações – Coleção Conte Mais.

Sugestão: levar uma salada de frutas e distribuir entre as crianças.

Tema: desenho para colorir do Gatinho Mimoso

Ciclo - maternal

Prece de encerramento

Aula nº 8 -ÁGUA, PRESENTE DIVINO

Prece inicial

Primeiro momento: contar a história =
Água, presente divino

Perto da casa onde Zequinha morava com seus pais passava um riozinho, mas que já tinha sido um rio muito grande tempos atrás. O pai de Zequinha costuma contar que pescava muito nesse rio quando criança, depois os peixes foram diminuindo bastante, e hoje raramente alguém consegue um peixe nele.
Era esse rio o responsável por boa parte da água da cidade. Pena que muitas pessoas não se davam conta disso e desperdiçavam esse presente de Deus sem pensarem nas conseqüências que isso poderia resultar. O próprio Zequinha era uma dessas pessoas, pois toda vez que tomava banho sua mãe precisava chamar sua atenção: “Zequinha você já está bem limpo, chega de gastar tanta água, menino!”
Quando ele escovava os dentes era a mesma história. Apenas para lavar as mãos ele gastava tanta água que quase dava para tomar um banho, e para completar nunca fechava direito a torneira.
Sua mãe precisava vigiá-lo sempre e ele ainda respondia para a mãe: “Está bem, eu vou pegar algumas moedas do meu cofrinho para ajudar pagar a conta da água!", achando que a mãe reclamava por causa do dinheiro.
Um dia seu pai explicou que não desperdiçar o dinheiro também era importante, mas o mais sério era o desperdício da água. Falou que todos nós deveríamos usar sabiamente esse presente que Deus nos deu para que pudéssemos desfrutá-lo sempre.
Mas Zequinha parecia não estar muito interessado... O garoto também não era dos mais cuidadosos com o lixo, se não encontrasse uma lixeira bem próxima dele jogava o lixo em qualquer lugar, até mesmo no rio.
Numa noite Zequinha teve um sonho. Sonho não, foi um pesadelo! Ele passava sobre a ponte do riozinho quando retornava da escola e jogou um copinho plástico na água e ficou observando os círculos que se formavam. Foi quando algo estranho começou acontecer: o rio parecia estar ficando furioso, se movimentava rapidamente e fazia um som parecendo um lamento ou xingamento.
Zequinha não entendeu muito bem aquilo, mas as águas foram tomando uma forma irregular onde se percebia claramente olhos e boca em meio àquela água que se movimentava. E essa forma falou: “Eu sou o guardião das águas e estou ficando muito triste com tudo isso que vem acontecendo! As pessoas não respeitam os rios, muitas acham que eles viraram depósitos de lixo, esquecem que lugar de lixo é no lixo! E você que é jovem, e parece bastante esperto, está dando um tremendo mau exemplo! Pense no que está fazendo, na maneira como vem usando a água e nunca mais jogue qualquer coisa, por menor que seja, nos rios! Agindo assim você está desrespeitando o nosso Pai Maior que é Deus, pois Ele nos dá a água para usarmos com sabedoria. Pense, pense, pense...”
E aquela bolha gigante, com a voz já sumindo, jogou para fora o copinho plástico e foi diminuindo, diminuindo. O rio foi desaparecendo junto, restando apenas uma paisagem triste com a terra seca e rachada.
Zequinha tremia feito vara verde. O sol foi ficando mais quente e ele começou sentir uma grande sede, quando acordou: “Puxa vida que pesadelo, vou beber água!”. Enquanto saboreava aquela água começou lembrar do sonho e fechou bem a torneira.
No dia seguinte, ainda bastante impressionado, contou o sonho à sua mãe, com todos os detalhes, pois estavam vivos na sua memória, e falou que agora entendia porque ela reclamava tanto do desperdício de água que ele costumava fazer.
Zequinha teve uma grande lição e em poucos dias já se podia notar uma grande mudança em suas atitudes. Inclusive começou cobrar dos amigos e colegas ações de mais respeito para com a água, maravilhoso presente do Criador.
Obs.: sugerimos que o evangelizador utilize recortes de revistas e, à medida que for contando a história, vá formando as cenas. O resultado final fica muito bonito.

Segundo momento - questionar:
Porque a quantidade de peixes e o tamanho do rio que passava perto da casa de Zequinha diminuíram?
Antes do sonho, que atitudes Zequinha tinha com relação ao uso da água? Elas eram corretas? Por quê?
Será que se temos dinheiro sobrando para pagar a conta de água podemos desperdiçá-la? Por quê?
No sonho que teve, o que Zequinha aprendeu?
Perguntar aos evangelizandos qual a atitude que costumam ter com relação ao uso da água.
Lembrar que devemos cuidar da natureza, não poluindo, não jogando lixo nos rios, nos mares, nas matas, nas calçadas, fazendo a sepração do lixo. Salientar que lugar de lixo é no lixo.
É importante preservar a natureza para que os nossos filhos e netos possam desfrutar de um mundo com água, pássaros, rios, mares, plantas, florestas e ar puro (de qualidade).
Muitos de nós se tivermos merecimento, vamos reencarnar novamente na Terra no futuro. Então vamos herdar o mundo e a natureza que preservamos hoje.

Terceiro momento: lembrar que=
Na hora de passar o xampu e o sabonete, desligue o chuveiro. Um banho de 15 minutos consome 60 litros de água.
Enquanto estiver escovando os dentes, deixe a torneira da pia fechada. Reabra apenas para enxaguar a boca.
Fique atento aos vazamentos na sua casa. Caixas d'água, descargas e torneiras pingando são sinais de prejuízo no futuro.
Limpe bem a calçada com a vassoura para tirar a sujeira mais grossa. Depois, então, jogue a água depositada em um balde. O serviço fica mais rápido e mais eficiente. Lavar a calçada sem fechar a torneira consome quatro litros de água por minuto.
Você precisa tomar banho todos os dias. O seu carro, não. Aproveite o tempo livre do fim de semana para dar uma geral na sua máquina. Em vez de gastar água e mais água da mangueira, use balde. Quem economiza gasolina também economiza água.

Quarto momento: sugestões de atividades.Desenhos para pintar= Mãe lavando a louça, menina tomando água, menino jogando lixo no rio,menino tomando banho, menino regando as plantas e a horta, agua da pia escorrendo sem ninguém usando.

Atividade 1: distribuir xerox dos desenhos e conversar com os evangelizandos sobre cada imagem dizendo quais atitudes estão corretas e quais incorretas.

Atividade 2: desenhar uma atitude correta em relação
o uso da água. Colar todos os desenhos em um grande cartaz com o título da aula.

Prece de encerramento

Sugestão: jardim.

Aula nº 7 Água – importância e utilidade



Prece inicial

Primeiro momento: contar a história:
Economia de água.

Ana Luísa era uma menina linda, bem educada, responsável e amada por todos. Embora tivesse apenas seis anos, já era independente e fazia sozinha seus deveres, tomava seu banho sem reclamar e ajudava sua mãe arrumando sua cama e guardando os brinquedos. Ela também cuidava de seu irmãozinho Lucas, um lindo bebê de olhos azuis.

Um belo dia Ana Luísa recebeu um convite de sua tia Clara para passar um final de semana em Porto Alegre, na casa de vovó Letícia. Ana ficou muito contente, porque além de visitar sua avó, ela iria passar um final de semana com suas primas Tassiane e Talita, que ela adorava.

Ana ajudou a mãe a arrumar as malas, e nem dormiu direito na noite anterior à viagem, pois estava muito contente porque iria viajar.

Mãe e filha fizeram uma ótima viagem. Elas observaram a beleza da natureza, as lindas paisagens e o belo dia ensolarado que fazia. Agradeceram a bondade de Deus, que criou a natureza, as flores e as árvores que embelezavam o caminho na viagem.

A chegada na casa de vovó Letícia foi festiva, com muitos abraços. Enquanto matavam a saudade e contavam as novidades, todos degustavam um gostoso lanche preparado por vovó Letícia. Quando terminaram de comer, a avó foi lavar a louça. Quando Ana começou a secar a louça, ela reparou que a avó lavava a louça com a torneira fechada, só abrindo para enxaguar, ao contrário de muitas pessoas, que costumam lavar a louça com a água escorrendo o tempo todo.

Logo as primas começaram a brincar, houve troca de presentes e as conversas e o barulho tomou conta da casa.

À noitinha, todos estavam cansados, e quando chegou a hora de dormir, Ana Luísa ajudou a arrumar as camas.

Quando tia Clara disse que era hora de tomar banho e dormir, as primas Tassiane e Talita protestaram, pois queriam brincar mais um pouco. Ana Luísa, ao contrário, logo foi tomar banho, sem reclamar.

A avó ligou o chuveiro e saiu do banheiro, pois Ana sabia tomar banho sozinha. Ela se deliciou com a água quentinha e cantarolou canções enquanto se ensaboava. Já fazia uns vinte minutos que a menina estava tomando banho quando sua avó abriu a porta do banheiro e disse:

- Este banho está muito demorado! Está indo muito água fora!

Ana Luísa estranhou, pois sempre tomava banhos demorados. A avós explicou, então, que devemos economizar água para que ela não falte no futuro. Se todo mundo economizar água tomando banhos mais rápidos e desligando o chuveiro enquanto se ensaboa, não vai faltar água para beber no futuro.

A conversa continuou depois do banho, quando a avó explicou que devemos cuidar dos rios, não poluindo, nem jogando lixo, para que tenhamos água sempre.

Ana Luísa prestou muita atenção no que a avó ensinou, e mudou sua maneira de tomar banho: agora seus banhos eram mais rápidos e com economia de água! E ela também entendeu que deve deixar a torneira fechada enquanto se ensaboa a louça e se escova os dentes.

O final de semana foi muito divertido e quando Ana retornou para casa, contou ao seu pai e aos amigos sobre a viagem, o quanto se divertiu e também sobre o que aprendeu sobre a importância de se economizar água e preservar os rios. Falou da beleza das cachoeiras, de como é bom tomar banho de piscina e tudo de bom que a água proporciona. Mas também lembrou como seria difícil viver sem água e como ela é importante para a saúde e o bem-estar de todos.

Ana Luísa também conversou com a secretaria de sua mãe para que ela economizasse água quando lavasse a louça e a roupa e pediu que ela não deixasse as torneiras pingando.

Aquela viagem para a casa da avó foi especial, porque Ana Luísa aprendeu uma lição que serviu para toda a sua vida! E ela ensinou a muitas pessoas o que sabia sobre a água, e essas pessoas mudaram seus hábitos, ajudando a conservar a água do planeta.

Segundo momento: conversa dialogada.

Perguntar às crianças quem já viu um rio, o mar, um riacho, uma lagoa.

Conversar sobre a importância da água para a vida na Terra e comentar que nada substitui a água, pois ela é o único liquido que mantém viva a natureza.

Lembrar que os refrigerantes, os chás, o chimarrão não tem o poder de substituir a água. Deus criou a água para manter vivos e saudáveis as pessoas e todos os seres da natureza: plantas e animais.

Dizer às crianças que devemos respeitar a água não jogando lixo nos rios, pois dentro dos rios existem muitos peixes e plantas que assim como nós dependem das águas dos rios para viver.

Conversar também sobre a importância de se economizar água para que no futuro não tenhamos problemas de falta de água.

Terceiro momento - ATIVIDADE 1: levar papel pardo e fazer um painel em conjunto com todas as crianças, sobre a natureza. Pode ser desenhados rios, peixes, lagos, árvores, plantas, flores, pessoas. Sugere-se que se coloque um título, por exemplo: ÁGUA=VIDA.
ATIVIDADE 2: distribuir o desenho da figura de Ana Luísa, para que os evangelizandos lembrem com mais facilidade a mensagem da história.

Prece de encerramento

Sugestão: maternal.

AULA INICIAL PARA CRIANÇAS

Prece inicial

Primeiro momento: dar as boas vindas às crianças. Falar da alegria de estar aqui, que é um momento muito importante e que nas aulas irão juntos aprender muitas coisas legais e se divertir.

Segundo momento: apresentação das evangelizadoras. Coloca-se um cartaz no quadro bem colorido, representando a sala de aula, e conforme cada evangelizadora vai se apresentando, cola o seu boneco no cartaz. Assim, cada personagem do cartaz representa um integrante da turma. Fizemos um cartaz de EVA, que ficou muito bonito, posteriormente foi colado da porta da sala, representando a turma do maternal.

Exemplos da apresentação das evangelizadoras:
*Freqüento o Grupo de Estudos. Estou aqui para aprender junto com vocês sobre a Doutrina Espírita, sobre Jesus e seus ensinamentos.
* Olá crianças! Adoro crianças, tenho muito carinho e amor para dar a vocês. Quero transmitir tudo de bom que Jesus nos ensinou para que vocês continuem sendo crianças boas, caridosas, compreensivas e amorosas.
* Oi! Gosto de músicas, de histórias e de poesias. Neste ano vou ajudar vocês a conhecer a Doutrina de Jesus.
Terceiro momento: apresentação dos evangelizandos. Perguntar o nome, o que gosta, tentando conhecer um pouquinho de cada um. Depois da apresentação, escrever o nome da criança em um dos bonecos de papel e colá-lo no cartaz. Se, no próximo encontro, aparecer crianças novas a evangelizadora poderá incluir novos bonecos no cartaz.
Quarto momento: falar sobre o significado da evangelização. Explicar que durante o ano vão ser contadas lindas histórias, que eles aprenderão sobre Jesus e seus ensinamentos e sobre a Doutrina Espírita; que farão trabalhinhos com tinta, papéis diferentes, desenhos, pinturas, massa de modelar e muitas outras coisas legais. E que, com a companhia de Jesus e do Anjo da Guarda, as aulas terão muita alegria e amor. Enfim, que serão, com certeza, aulas muito legais.
Quinto momento - atividade: pintura de um menino ou menina previamente desenhado em folha de ofício, significando cada um deles. Salientar que a presença deles é sempre muito importante.
Sexto momento: entrega de um bilhete aos pais, com orientações e esclarecimentos acerca da Evangelização Infantil no Grupo Espírita. Na aula inicial II, tem uma sugestão que deverá ser adaptada.
SUGESTÃO=
Senhores Pais ou responsáveis,

Estamos muito felizes em ter seu filho(a) na Evangelização Infantil do Grupo Espírita _________________________________________________________________________________ Para um melhor aprendizado, é muito importante que os senhores acompanhem e incentivem seu filho(a), olhando sempre o caderno de Evangelização, ajudando nas tarefas, perguntando o que ele aprendeu na aula. Agindo assim, estarão reforçando as lições aprendidas e valorizando a freqüência dele(a) às aulas.
Além disso, acompanhem se a criança está trazendo sempre para aula o caderno de Evangelização e um lápis (ou o estojo da Escola regular).
Importante, também, observar o horário das aulas, que são............. (preencher com os seus dados).
Seu filho(a) está freqüentando o _______ Ciclo de Evangelização, para crianças de______ anos. As evangelizadoras responsáveis por este ciclo são:____________________________________________

Um abraço,
Nome das profes

“A educação, se bem entendida, é a chave do progresso moral.” Allan Kardec


Sétimo momento: distribuir um pequeno “agradinho” para as crianças como boas-vindas. Abaixo segue uma sugestão, na qual foram colocadas balas.

Prece de encerramento.

Quais são os pré-requisitos para Evangelizar?

Além de estar freqüentando o Estudo Sistematizado da Doutrina Espírita e ter disponibilidade de horário e responsabilidade para a atividade proposta, cabe salientar as características do evangelizador, segundo Helena Bertoldo da Silva, Coordenadora do Setor de Infância do DIJ/FERGS.

Amor - o amor, sendo o sentimento por excelência, é condição primeira para a tarefa de evangelizar;

Conhecimento doutrinário - o evangelizador vai ensinar (facilitar) o conhecimento espírita, portanto, ele tem que conhecer os postulados doutrinários, para tanto, além do esforço individual, na busca desse conhecimento, deve freqüentar o Grupo de Estudo Sistematizado da Doutrina Espírita (ESDE) em uma Casa Espírita;

Exemplificação - o evangelizador deve vivenciar ou, pelo menos, lutar para vivenciar os ensinos de Cristo, porque o exemplo ainda é o melhor argumento e para que o ato de evangelizar não se vulgarize no "faça o que eu digo, mas não faça o que eu faço", é importante que o evangelizador seja para a criança e o jovem modelo de vivência daquilo que ele ensina;

Consciência da tarefa - é importante que o evangelizador esteja convencido de que a Evangelização é um meio de educação da geração futura, e que o ato de evangelizar exige que ele se qualifique cada vez mais;

Entusiasmo - é fundamental que o evangelizador esteja totalmente envolvido no processo da Evangelização, cativado por esse processo ele terá que "transbordar" entusiasmo, no falar, no agir, no olhar, no vivenciar, etc;

Ser flexível, receptivo - o evangelizador, em nenhum momento, deve ter a pretensão de que tudo sabe, que faz o melhor e que já está "pronto", mas deve estar aberto, receptivo a novos conhecimentos, aceitar a avaliação do seu trabalho, ser flexível às mudanças, quando se fizerem necessárias. É imprescindível que o evangelizador busque continuadamente aprimorar-se;

Conhecer o Currículo - sendo o Currículo para as Escolas Espíritas de Evangelização Infanto-Juvenil, rumo norteador da Evangelização Espírita, o evangelizador deverá conhecê-lo e saber a função do mesmo e da sua inserção no Movimento Espírita;

Saber escolher metodologias adequadas - é importante que o evangelizador conheça as metodologias que possibilitem ao evangelizando a elaboração e a construção do seu conhecimento; noções de didáticas, técnicas de ensino, psicologia, literatura, música, teatro auxiliam no desempenho da tarefa;

Saber avaliar - a avaliação é primordial em todo e qualquer processo e não poderia ser diferente na Evangelização. O evangelizador deve avaliar, sempre, a si mesmo e ao evangelizando, fazendo o feed-back, retomando (se necessário) por novos caminhos, para alcançar os objetivos propostos no seu planejamento;

Auto-aprimoramento - o evangelizador não deve descuidar da sua transformação moral, buscando conhecer-se através de auto-avaliação e, dentro da orientação cristã, detectar suas tendências viciosas e lutar para transformá-las em virtudes.



"(...) Esse elemento é a educação, não a educação intelectual, mas a educação moral. Não nos referimos, porém, à educação moral pelos livros e sim à que consiste na arte de formar os caracteres, à que incute hábitos porquanto a educação é o conjunto dos hábitos adquiridos."

Comentário de Allan Kardec em O Livro dos Espíritos, questão 685.

Aula nº 6- DEUS PARA OS PEQUENOS

Prece

OBJETIVO GERAL: Entender o significado de "criar".
OBJETIVO ESPECÍFICO: Montar um painel de colagens
MATERIAL: Folhas de papel cartão ou colorset preto, no formato A-4. Cola escolar, glitter, retalhos de papéis coloridos, lápis de cor, tesouras.
COMO APLICAR:
- Inicie mostrando fotos ou vídeo com imagens do espaço. Pergunte se eles sabem o que estão vendo e onde estão aquelas paisagens.
- Depois de terminar, peça-lhes que digam o que há no espaço. Ex.: Sóis, planetas, cometas, asteróides, naves, satélites, galáxias, estrelas, ET’s... (Deixe-os falarem à vontade, enquanto relaciona tudo no quadro.)
- Entregue uma folha de papel cartão para cada criança, mas reserve uma pra si, que permanecerá sem uso.
- Agora, vamos criar um espaço do nosso jeito. Peça para as crianças escolherem o material e criarem uma colagem bem bonita, com os itens relacionados.
- Depois que todos terminarem, mostre a folha de papel cartão como era antes, e como ficou depois de trabalharmos nela. Se não fosse por nós, a folha continuaria só preta, sem nada. O Universo também não seria o que é hoje, se não tivesse sido criado. E quem criou o Universo? Deus.
- Colando todos os trabalhos lado a lado, crie um grande painel que possa ser fixado na própria sala ou em outro local da casa espírita. Coloque música, enquanto todos admiram o trabalho e põem seus nomes. Sugestão: 2001 - Uma Odisséia no Espaço.

Criação e Design: Rita Foelker - ritafoelker@edicoesgil.com.br

sexta-feira, 2 de maio de 2008

Aula nº 5- COLABORAÇÃO NO LAR

Prece inicial

O Evangelizador deverá levar para a aula vários fantoches de pessoas ou animais.
Primeiro momento: iniciar a aula pedindo para cada criança encenar, através de fantoches, pequenas tarefas que podem fazer para colaborar no lar. Anotar os exemplos no quadro:
 Lavar a louça;
 Tirar o pó dos móveis;
 Ajudar a estender as roupas no varal;
 Servir suco para o amigo;
 Ajudar nas compras no supermercado;
 Cuidar do irmão menor quando solicitado.
Obs.: levar uma relação de exemplos para aquelas crianças que tiverem dificuldades (veja sugestões abaixo), que poderão ser escritos em papéis pequenos e solicitado a criança que escolha um.
Segundo momento: conversar com os evangelizandos sobre a importância da colaboração no lar. O lar se torna mais tranqüilo e feliz quando todos se ajudam. No lar qualquer colaboração é importante. Toda tarefa realizada com amor resulta em benefício para todos os membros da família. Explicar que Jesus colaborava com seus pais quando era criança, que aprendeu o ofício da carpintaria, ajudando o seu pai em pequenas tarefas enquanto ele trabalhava. Pedir para as crianças contarem as tarefas que elas realizam em casa ou gostariam de realizar.
Assim como nós vamos aprendendo as coisas de um ano para outro na escola, nossos pais também aprendem coisas ao longo da vida deles. Quando eles dizem que devemos comer tal coisa, ou fazer tal coisa, isso é o melhor para nós naquele momento.
Ajudar em pequenas tarefas no lar e obedecer os pais é tarefa de cada criança.
Atividade: Cada criança deverá desenhar pequenas tarefas que podem fazer para colaborar no lar.
Prece de encerramento

Texto:
Colaboração no Lar
No lar toda colaboração é importante. Devemos colaborar com pequenos serviços que resultam em benefício de todos.
Um brinquedo no lugar, fazer um doce gostoso com a mamãe, uma peça de roupa cuidadosamente guardada são serviços com Jesus, que ajudam a tornar o lar tranqüilo e feliz.
Exemplos de situações que podem ser encenadas pelas crianças:
* Lavar a louça
* Arrumar os brinquedos
* Tirar o pó
*Arrumar o quarto
* Recolher o lixo
* Não brigar com os irmãos
* Cuidar dos irmãos
* Cuidar dos livros
* Estudar
* Secar a louça
* Ajudar nas compras no supermercado
* Colaborar no Evangelho no Lar
* Molhar as flores
* Ajudar a estender as roupas no varal
* Guardar as roupas
* Fazer um doce gostoso com a mamãe
*Ajudar o irmão a fazer os temas
* Saber ouvir
* Ser bem humorado
* Dar comida aos animais
* Dar água aos animais
* Dar banho ou ajudar a lavar o cachorro
* Limpar as sujeiras do cachorro
* Ler uma história para o irmão menor
* Guardar a escova e a pasta dental no lugar
* Guardar a escova de cabelos no lugar
* Ajudar os pais quando solicitado
* Ser educado com os familiares
* Ser educado com as visitas
* Ser educado com os vizinhos
* Ajudar a lavar as calçadas
* Arrumar o vaso de flores sobre a mesa.

Aula nº 4- CARIDADE NO LAR

Prece inicial

Primeiro momento: os evangelizandos devem adivinhar qual é o assunto da aula (dizendo as letras que faltam).

_ A _ _ _ A _ _ _ A _ A _ _ _ _ _ (Caridade na Família)

Segundo momento: indagar às crianças o que é caridade (escrever as respostas no quadro). O evangelizador deve complementar o conceito até que elas tenham noção de que caridade é paciência, amor, boas atitudes, perdão, tolerância, boa vontade para com o próximo (benevolência para com todos, indulgência para com as imperfeições alheias e perdão das ofensas).
Terceiro momento: perguntar o que é família (escrever as respostas no quadro). Família é um grupo de pessoas que se reúnem para crescerem e aprenderem juntos. Podemos lembrar que Jesus também teve família, pai, mãe e irmãos.
Explicar que há diferentes tipos de família:
 famílias em que o pai e a mãe trabalham fora de casa;
 famílias onde só a mãe ou só o pai trabalham fora de casa;
 famílias com pai, mãe, filhos, avós ou tios;
 famílias onde o pai, a mãe, os filhos ou os avós desencarnaram;
 famílias em que os avós moram com os filhos e os netos;
 famílias com filhos adotivos ou não;
 famílias onde algum filho já casou e mora em outra casa;
 famílias onde os pais são aposentados;
 famílias com número diferente de filhos (um, dois, três);
 famílias em que o pai ou a mãe não moram com os filhos;
 famílias que têm apenas mãe e filhos ou só pai e filhos;
 famílias em que os pais se separaram e não moram mais juntos;
 famílias onde os pais se separaram e casaram de novo ou tem outra(o) namorada(o).
O evangelizador pode dar o seu depoimento, contando como é a sua família.
Exemplo: "Quando eu (evangelizador) tinha a idade de vocês minha família era formada de meu pai, minha mãe, minha irmã, meu avô e minha avó. Quando eu cresci, me casei e minha família ficou maior: meu marido e meus filhos também passaram a fazer parte dela. As famílias vão mudando com o tempo: meu avô desencarnou o ano passado e minha irmã casou; assim meu cunhado faz parte da minha família hoje. Mas não moramos todos na mesma casa: moro com meu marido e meus filhos; meus pais moram perto de minha casa; minha avó mora sozinha; e minha irmã mora com o marido dela. Mas nós todos nos amamos e nos respeitamos como uma família."
Incentivar as crianças a contarem como é a família de cada um, mas sem obrigar ninguém a falar.
Quarto momento: fazer os evangelizandos relacionarem família e caridade. Como podemos ser caridosos na família? Obedecendo, não brigando, respeitando os integrantes da família, realizando pequenas tarefas no lar (lavar a louça, arrumar a cama, guardar os brinquedos...).
Lembrar que nossos familiares também erram, acertam e merecem nosso carinho e perdão; que nossos pais nos amam e querem o melhor para nós, por isso nos ensinam o que é certo e o que é errado e nos educam.
Quinto momento: fazer um desenho da sua família ou montar um porta-retrato em cartolina.
Para receber sugestões de porta-retratos, mande-nos um e-mail
Prece de encerramento

Sugestão de texto:
Família
Nossa família são as pessoas que convivem com gente: o pai, a mãe, os irmãos, os avós, a madrasta, o padrasto, entre outros.
Nossos familiares trabalham, estudam, cuidam do lar, nos dão carinho e amor. Cada pessoa é única, tem gostos, qualidades e atitudes diferentes. Devemos amar e respeitar as pessoas como elas são.
As pessoas de nossa família são nossos amigos. Podemos conversar com elas quando temos problemas ou precisamos de ajuda.
Podemos colaborar na harmonia do lar não brigando, obedecendo aos pais, ajudando nas tarefas domésticas.
Uma família é feita de união, respeito, gratidão e amor.

Aula nº 3- AMOR E SABEDORIA DE DEUS

Prece Inicial

Primeiro momento: iniciaremos a aula com a adivinhação "O quê é o quê é". De acordo com as respostas iremos montando no quadro uma paisagem. O evangelizador fará, previamente, desenhos e os fixará no quadro com durex, até a paisagem ficar pronta.
1 - Todo mundo gosta, pode ser morna, quente, fria ou bem gelada, ninguém vive sem ela. Pode estar na jará, no copo, na natureza, torneira ou geladeira? O quê é o quê é? ÁGUA. (figura de um rio ou um lago)
2 - Sou enorme, irradio muita luz. Não preciso de água. Não tenho pernas, mas ando por todos os lados. Gosto da cor amarela e às vezes laranja. Só apareço de dia, à noite me escondo. O quê é o quê é? SOL.
3 - Minha casa é a água. Posso ser bem pequeno ou bem grandão. Tenho várias cores e nomes. Posso ser bem feroz ou enfeitar a sua casa. O quê é o quê é? PEIXE.
4 - Gosto da terra. Quando nasço viro um tapete verdinho, lindo de deitar. Muitos animais me usam como alimento. O quê é o quê é? GRAMA.
5 - Tenho muitos ramos, sou bonita, faço sombra, dou flores e frutos. O quê é o quê é? ÁRVORE.
6 - Sou cheirosa e bonita. Preciso da terra, da água e do sol para viver. O quê é o quê é? FLOR.
7 - Tenho bico, duas asas e canto. O quê é o quê é? PÁSSARO.
8 - Quando nasço sou uma larva, moro em um casulo, me transformo para voar. O quê é o quê é? BORBOLETA.
9 - Gosto muito de voar e trabalhar. Quando estou com medo, dou uma picada e solto um ferrão. Produzo algo muito docinho, bom de passar no pão. O quê é o quê é? ABELHA.
10 - Nasço, cresço, morro e volto a nascer, mas meu espírito continua sempre vivo. Às vezes cuido da natureza, às vezes não. Tenho tendências boas e más que preciso melhorar. Estou sempre em evolução. O quê é o quê é? SER HUMANO.
Segundo momento: depois de montada a paisagem perguntar aos evangelizandos se eles gostaram, e se poderíamos acrescentar mais alguma coisa. Ver se as crianças percebem que poderemos acrescentar as nuvens, para ficar mais bonita.
Terceiro momento: perguntar para os evangelizandos quem gosta de brincar na água, tomar sol, banho de chuva, ouvir o canto dos passarinhos, deitar na grama, comer mel, pescar, quem tem aquário em casa, quem já percebeu como as borboletas são bonitas e coloridas.
Quarto momento: questionar as crianças se eles acham possível viver sem alguma dessas coisas. Se eles precisam pagar para ter tudo isso.
Conversar com os evangelizandos sobre quem nos deu esses presentes e por quê. Todas essas maravilhas da natureza foram nos dados por Deus, nosso Pai, porque Ele é sábio e nos ama muito.
Explicar que tudo tem um autor. Que Deus nos coloca a disposição todos os dias, sem nada nos cobrar, o sol, a chuva, as plantas, os alimentos. Deus nos criou para evoluirmos espiritualmente.
Citar coisas que o ser humano pode criar, transformando a natureza (roupas, móveis. casas).
Deus é sábio e bom. Sua sabedoria se revela nas obras da criação. Deus provê as necessidades de todos os seres. Tudo o que Ele faz é para o nosso bem.
Quinto momento: pedir para as crianças citarem coisas que Deus criou e coisas que o ser humano criou.
“Deus é a fonte da vida, a origem de tudo. O ser humano transforma.”
Atividade: distribuir aos evangelizandos folhas em branco para que façam desenhos coloridos de coisas que Deus criou.
Prece de encerramento
Sugestão de texto:
DEUS
Deus criou o mundo em que vivemos, a terra, o sol, as nuvens, as estrelas, a água, as plantas, as flores, o mar, os rios, as árvores e os animais.
Ele fez tudo isso para sentirmos o seu amor e para fazer do mundo um local bom para se viver.
Dizemos que Deus é nosso Pai porque foi Ele quem criou os seres humanos para aprenderem a ser pessoas boas. Deus nos criou com inteligência para que possamos viver neste mundo maravilhoso e usar as coisas que Ele criou quando precisarmos, como a água e os alimentos.
O ser humano também faz muitas coisas modificando a natureza, usando a inteligência.
O ser humano criou as casas, os carros, as roupas, a televisão, os móveis, os aviões e muitas coisas mais.
Deus é muito bom conosco. Ele nos criou e nos deu um mundo muito legal para morarmos.

Aula nº 2- AMOR ÀS PLANTAS


Prece inicial

Primeiro momento: distribuir entre as crianças: frutas, legumes, aveia, chás variados, flores, pão, remédios naturais, suco, cereais e outros itens, que tenham origem nas plantas. Fazer três perguntas:
Para que serve?
De onde vem?
Quem criou?
Cada criança devera responder de acordo com o que recebeu.
Exemplo: Alan recebeu chá de camomila. Serve para o estômago, vem da camomila (natureza) e foi criado por Deus.
Lembrar que as plantas são obras de Deus e que o ser humano, com a inteligência que Deus lhe deu transforma as plantas em alimento, remédio e utilidades variadas.
Devemos cuidar da natureza, respeitar e proteger, não poluindo os rios e os mares, cuidando das plantas e não poluindo o ar.
Salientar a importância do ar. Sem ele não existe vida. Perguntar as crianças se a família recebe uma "conta de ar" para pagar todo o mês, assim como recebemos de luz, água, telefone. Salientar a bondade de Deus, que nos deu a natureza como um "presente especial" para que possamos evoluir.
Segundo momento (atividade): montar com as crianças uma grande árvore com flores, frutos e folhas.
Cada evangelizando ficará encarregado de pintar e recortar uma parte, para juntos formarem a árvore (cartaz) que poderá ser utilizado para embelezar o Grupo Espírita.
Prece de encerramento

Atividade: Confeccionar=caule; copa da árvore; flor; folha e fruta.

Resultado: Uma árvore completa

ORAÇÃO DE SÃO FRANCISCO

PRECE DE CÁRITAS

ORAÇÃO NOSSA NA VOZ DE CHICO XAVIER

PAI NOSSO / CHICO XAVIER

EPITÁFIO - TITÃS(TRABALHANDO SENTIMENTOS COM CRIANÇAS)

PARÁBOLA DO LÁPIS

EVANGELIZAÇÃO ESPÍRITA

APOSTILA DE EVANGELIZAÇÃO ESPÍRITA INFANTIL

Primeiro Ciclo da Infância

Esta apostila contém sugestões de aulas para o 1º Ciclo, conforme o Currículo de Evangelização Infantil da Federação Espírita Brasileira - FEB (mas que podem ser adaptadas para outros Ciclos), e que foram utilizados com êxito na Evangelização Infanto-juvenil do Grupo Espírita Seara do Mestre, em Santo Ângelo, RS.
http://www.searadomestre.com.br/evangelizacao

Responsabilidade: Grupo Espírita Seara do Mestre
Organização/correção: Claudia Schmidt
Ilustração da capa: Patrícia Karina Saches Bolonha
Casa Espírita Missionários da Luz – Curitiba/PR.




AULA Nº 1
A natureza como obra de Deus

Prece inicial
Primeiro momento: iniciar a aula contando a história da menina que não queria que a natureza fizesse parte de sua vida. (abaixo a história A Natureza)
Segundo momento: questionar os evangelizandos a respeito da história.
 Como termina a história?
 A personagem da história (Márcia) repensa o papel da natureza em sua vida?
 Perguntar aos evangelizandos se eles conhecem maneiras de cuidar da natureza.
Observação: o evangelizador pode escrever no quadro as respostas das crianças ou estabelecer um diálogo com elas.
Exemplos citados pelas crianças: a importância do ar para que exista vida; molhar as plantas; não poluir os rios; não cortar as árvores; não arrancar as flores; não matar/caçar os animais; cuidar dos seus animais de estimação (alimentação, higiene); a importância da seleção do lixo para preservar a natureza e a nossa saúde.
Terceiro momento: mostrar gravuras da natureza, recortadas de revistas, salientado/louvando/ mostrando a beleza da natureza criada por Deus. Lembrar que a natureza é presente de Deus e que é responsabilidade de todos cuidar do meio ambiente.
Atividade: distribuir tiras de cartolina ou papel ofício colorido para as crianças desenharem as belezas da natureza.
Prece de encerramento
História:
A Natureza
Claudia Schmidt
-Não, mãe. Não vou molhar as plantas. Não gosto da natureza!
-Mas, filha, a natureza não são apenas as plantas. A natureza foi criada por Deus e é um presente. Ela inclui as plantas, os animais, as flores, a água, o ar, a chuva, o mar, o céu, as nuvens...
- Não me interessa, mãe. Por mim a natureza não precisava existir.
A mãe de Márcia silenciou por alguns minutos.
- E se ela não existisse pra você, por um dia?
- Por mim tudo bem, retrucou a garota. Seria muito bom.
- Então está combinado. Amanhã não haverá natureza na sua vida. Que tal?
Márcia desconfiou um pouco da proposta da mãe, mas concordou. Ela achou que seria bom não ter que regar as plantas, varrer as folhas do pátio ou cortar a grama.
No dia seguinte, quando acordou, foi lavar o rosto e escovar os dentes, mas não havia água. Foi colocar o seu uniforme da Escola, mas não achou a camiseta. Chegando na cozinha, não encontrou seu café pronto. Na mesa apenas um bilhete:
"O leite vem da vaca. O açúcar tem sua origem na cana-de-açúcar e o café é uma planta também. O pão vem do trigo e as frutas também tem sua origem na natureza."
Márcia achou bom poder sair sem tomar café, pois estava sem fome mesmo e a mãe não insistiria para ela comer. Perguntou pela camiseta do uniforme, mas a mãe respondeu que era de algodão, que era uma planta e que, portanto, não poderia vesti-la naquele dia. Sentiu falta de Vivi, sua gata, que sempre lhe dava bom-dia com um carinho especial, mas logo ficou sabendo que ela estava passando o dia na vizinha, pois os animais eram parte da natureza.
Quando entrou no carro a garota achou engraçado a mãe lhe dizer para ir de olhos fechados até a escola, mas ficou sabendo que era para não ver as árvores e as flores que deixavam o caminho tão bonito na primavera.
Na escola, quando abriu a mochila não encontrou seu caderno e os lápis, mas apenas um bilhete:
"O caderno e o lápis vêm das árvores. Um beijo. Sua mãe."
Chateada, pediu uma folha e um lápis emprestado. Na hora do recreio, no lugar de seu lanche havia outro bilhete:
"Não achei nada para você comer que não viesse da natureza. Sinto muito."
Ao chegar em casa, sentiu o cheiro do almoço e foi conversar com sua mãe.
Neste momento da história o evangelizador pode questionar os evangelizandos: O que vocês acham que ela fez? O que vocês fariam?
Ela estava com fome e arrependida da bobagem que disse no dia anterior. Enquanto ela conversava com a mãe, admitindo que não podia viver sem a natureza, Vivi, a gata, veio lhe dar as boas-vindas.
A mãe abraçou carinhosamente a filha e pediu que ela fizesse a prece antes do almoço, como era costume da família. Naquele dia, Márcia pediu perdão a Deus e agradeceu ao Criador por Ele ter criado a natureza, pois percebeu que ela é um presente de Deus para os seres humanos, e que sem ela não seria possível viver neste planeta.

Sugestão de texto:
A natureza
Deus criou as plantas, as árvores, as flores, os mares, os rios, os animais; toda a natureza.
As plantas servem como alimento, remédio, renovam o ar que respiramos e embelezam o mundo.
Os animais são importantes para o equilíbrio do planeta; alguns podem ser domesticados e se tornam nossos amigos.
Os seres humanos devem colaborar para a conservação da natureza, preservando as florestas e as plantas, cuidando dos animais, fazendo a seleção do lixo e não poluindo os rios e os mares.
Os animais e as plantas são criações de Deus que devemos respeitar, vivendo em paz e harmonia com a natureza.